sábado, 16 de janeiro de 2016

No limite

20:29


Sentimento ao limite, o cansaço toma conta da alma, vai-se ficando cada vez pior. Tudo parece se perder na saturação de existir neste tempo descompensado, onde só importa o bem estar financeiro, as pessoas passam a ser coisas apenas, só o mais forte e determinado se safa, os outras andam ao deleite da vida.


A luz parece tão longe, tudo se afasta, há como uma cratera que se abre junto ao túnel da incompreensão. Quanto mais a tecnologia progride mais miséria há no mundo, vive-se ao minuto, nem há tempo para quem se ama (lágrimas).

Thereza Green

(imagem web)

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Escrever

21H00

Sonhos de palavras
Com expressões raras
Caminhar na insatisfação
E querer alguma emoção.

Ter fé num amanhã de amor
Sorrir pelo desabrochar da flor
Na razão de sonhar o raro da vida
O gosto da alma existir...

Thereza Green

(imagem web)

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Piano em poema

19:43

O instrumento nos sorria

Num tom de energia

Suas teclas bicolores dão alegria

À  música que nunca mente.


O seu som eleva o ser

Dando-lhe um belo anoitecer

Faz acreditar no milagre do som

E elogia as crianças em bom tom.


Thereza Green e Luna Blue






(imagem Web)

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

O sol chegou

11:53

O sol chegou dando ar de sua graça, afastando os maus termos que derrubam o ser pensante. Qualquer coisa que não se gosta e nos torna triste, é já depressão, será?

É loucura sem tema e sem lema. 

Viajo através do sonho escondido na maré a jusante, nada é em vão no limite do ser, no caminho lento para a saída, há que ter fé em novos pensamentos que não destroem a vida, nem corroem a sua alma.

Acreditar no virar da página e encontrar novas vicissitudes.

Thereza Green
(imagem web)

domingo, 10 de janeiro de 2016

Chuva arreigada

10.01.2016 16.27

A chuva chegou e disse:

Estou aqui para vos lavar

A alma suja de maus sentidos

E de princípios perdidos.


O reino tem de se fortificar

Não desejamos o caminho sem volta

Há que acreditar que a porta

Se abrirá e o sorriso ficará.



A razão de existir permanece

No tempo em que nada se olvida

Apenas de si e do seu cuidar

Precisa-se encontrar o raiar

Do sol e do apoio da lua.


Thereza Green